Saiba porque a Cop 22 foi um dos grandes momentos da Apex-Brasil em 2016

Um dos pontos altos de 2016 para a Apex-Brasil foi a organização da missão brasileira que participou da conferência para o clima, em Marrakesh (Marrocos), a Cop 22.

Com o objetivo de divulgar as políticas ambientais brasileiras para o mundo, a Agência criou o Espaço Brasil, uma área montada na conferência onde foram promovidos debates com os setores público, privado e com a sociedade civil.

Conversamos com o gestor de projetos da Coordenação de Competitividade da Apex-Brasil, Gilson Spanemberg, que esteve à frente da organização da presença brasileira no evento. Confira a entrevista.

Qual a importância da participação da Apex-Brasil na Cop 22? A participação da Apex-Brasil na COP 22 foi extremamente importante por ter propiciado o envolvimento da Agência com diversas instituições nacionais e também globais que estão discutindo e propondo soluções de mitigação e adaptação à mudança do clima. A COP representa um evento de alta visibilidade e de especial importância na agenda ambiental internacional.

Como você avalia a participação brasileira na COP 22? Foi extremamente positiva. O Brasil participou da COP com ampla e diversificada delegação, incluindo representantes de diferentes âmbitos do governo, da academia, de entidades privadas e de organizações não-governamentais. Estiveram em Marrakesh 271 delegados brasileiros, sendo 87 ligados a governo e 184 da sociedade civil. Dentre os participantes governamentais, vieram à COP 16 parlamentares. O Espaço Brasil, inaugurado em 8/11, constituiu importante palco para divulgação de ações brasileiras e troca de experiências com os participantes da COP22. Iniciativa de MMA, MRE, Apex-Brasil e ANA, o local abrigou 45 eventos sobre temas relacionados à mudança do clima, como adaptação e mitigação, NDC, cooperação internacional, ciência, produção de alimentos e reflorestamento, energia, financiamento, água, florestas e sociobiodiversidade.

O que você apontaria como ponto principal da nossa participação? A Apex-Brasil coordenou a concepção e montagem do Espaço Brasil, com projeto arquitetônico realizado pela empresa de arquitetura licitada da Agência. Além disso, engajou-se na Comissão de Conteúdo e propôs uma série de palestras e conteúdos nos principais eixos temáticos que foram tratados na COP 22 (agricultura sustentável; economia florestal sustentável; gestão de recursos hídricos; energias renováveis). Isso resultou na participação de instituições e entidades parceiras da Agência, a exemplo do GVces (FGV), GTPS (Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável), ÚNICA, ABEEólica, Absolar, Abiquim, entre outros. Outro ponto extremamente importante no âmbito da COP 22 foi a oportunidade de divulgação da imagem-país em relação ao desenvolvimento sustentável.

Que aprendizado a Apex-Brasil vai levar para a próxima COP? O principal aprendizado é que a COP 22 traduz-se como uma oportunidade excelente para posicionar a imagem do Brasil sob o ponto de vista da competitividade do agronegócio. A próxima COP será realizada em Bonn (Alemanha), em novembro de 2017, e sem dúvida é importante organizar com bastante antecedência a participação do Brasil na conferência.

Como que a Apex-Brasil vem trabalhando as questões relativas à sustentabilidade? A Apex-Brasil entende que a inovação e a sustentabilidade são instrumentos interligados e constituem um importante diferencial para o setor produtivo brasileiro competir no mercado internacional. A Apex-Brasil desenvolve uma série de projetos em parceria com instituições representativas que buscam o alinhamento de setores produtivos brasileiros às demandas globais de boas práticas em sustentabilidade, além de direcionar esforços para mercados-chave e temáticas centrais para o posicionamento do país no cenário global de forma competitiva. Um exemplo desse esforço é o projeto ICV Global (Inovação e Sustentabilidade nas Cadeias Globais de Valor), executado em parceria com a Fundação Getulio Vargas.

0 visualização0 comentário